Buscar
  • Julia Scheibel

Pulsante

Entre os devaneios loucos da cidade me pego e me apego ao sentir.

Cá interno, adentrado, querendo explodir.

Não sabe, ao certo, por onde extravasar

Meio na noite, sobe o açoite, e maltrata o viver…

Quer ao menos um acalanto entre o sentir e o que comer

Pra dizer, que a vida é incerta

Que as dores sangram

Que o amor consome!

Que o viver é tão pequeno e tão distante…

Do tempo a compreender o sentir

Que o extravasar do peito, embala o leito, só…Cadente.

Mas não se acanhe, não.

Tem muita unção de amor pelo ente

Aqui dentro

A dilatar, sangrar…

Amor pela vida pulsante!

Que tanto bate, ora!

Às vezes…

Inconstante

Que não se apega ao ponteiro do relógio,

Que passa…

Entre o pequeno e grande,

Minutos e horas…

Talvez, passam-se os anos

Sinto muito, viver

Sinto muito, 

Nem devia ser um cumprimento negativo.

Cá a pensar…

Sintamos todos, nós, sempre, muito.

E sentemos pouco…

Para que sigamos

A caminhar.

#poesia #sentir

0 visualização

©2019 por Júlia Scheibel. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now