Buscar
  • Julia Scheibel

"Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante."

A frase do psicanalista Contardo Calligardis, ‘"Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante" é simples de entender. A felicidade não traz o prazer libertador de uma vida bem vivida, apesar de ser amplamente desejada.

A felicidade é desejada e reconhecida por muitos. Mas, como ter uma vida interessante retirando o olhar do outro? Normalmente, as pessoas ao redor são punidoras, críticas, valorizam o status quo, reverenciam o poder e, dessa maneira, agem como uma sociedade limitadora e castradora de uma vida bem vivida.


É muito bom conseguirmos retirar o peso dos nossos passos caminhantes, o olhar dos outros sob os nossos ombros e andarmos dignos dos nossos caminhos de vida.

Muitos sonham com a liberdade, mal sabem que este é um substantivo da vida de seres humanos. Não há escolhas e decisões de liberdade nos animais. Logo, liberdade não é um instinto animal. É totalmente humano, somente nós a vivenciamos.


Com o nosso direito intrínseco de "pensar, sentir, agir" - tríade maior da experiência humana, vivenciamos a sabedoria da vida com as reflexões dos nossos passos e/ou nos passos de outrem.


A oportunidade de aprendizados vividos e vívidos, de passos em prol de uma solitude interessante, vem do direito de não se arraigar nas condicionantes limitantes da sociedade. Do olhar e sonhos capitalistas, consumistas e de tribos.


Felicidade é efêmera, vai e vem (quando vem, vem bem!) e, muitas vezes, algumas são mero quesito social para posts em redes sociais.


Sustentar uma vida interessante é quebrar paradigmas: internos, sombras, dúvidas, olhares e, assim, continuar a trilhar o papel de eterno aprendiz da vida.


A quem se justifica não estar nos moldes pré-determinados de uma sociedade aglutinada em sonhos de propaganda de margarina? A ninguém. Eis aqui, um primeiro guia do aprendiz de vida interessante.


Com quem dividir o teto, pago com boletos suados, se não àqueles que tanto devotamos? Quem? Filhos e amores.


Filhos pequenos muito bem-educados para que se tornem homens de bem e autônomos em sua maioridade. Tempo determinado.


Amores que, medidos no patamar da vida, consolidem um viver de rotinas e descansos verdadeiros, sentidos e, por ambos, abraçados. Escolha conjunta e conjugada.

Temporalidade. Reforço diário.


Os que nos conhecem desnudos, nus, prontos a viver nossos sabores nos bastidores, eis aí o verdadeiro palco da vida.


Realmente, eu gosto muito de chegar em casa.


As famílias são idolatradas em estereótipos que, simplesmente, alimentam os dizeres: somos integrados como seres humanos.


A integração, muitas vezes, envolve um pagar boletos, dividir controle remoto da TV ou conviver com pessoas em m².


Quantas áreas comuns das casas e apartamentos estão vazias de gente?


Entre um ser, um viver e um compartilhar, e que, dito hoje, é parte da sociedade contemporânea.


Compartilhamos notícias, músicas, fotos, check-in, rede, tudo conectado.


Enfim, compartilhamos conteúdos e as pessoas seguem desintegradas.


E nós, meramente nós, perdemos o elo que nos torna humanos, os braços largos.


Feliz aquele que sabe: padrões são forjados em pleno século XXI em prol de um vôo raso.


Vôo raso não arranha-céus.


Eu quero ver mais alto.


© obvious: http://obviousmag.org/e_a_vida_o_que_e_diga_la_meu_irmao/2019/nao-quero-ser-feliz-quero-e-ter-uma-vida-interessante.html#ixzz67588WYDk Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

4 visualizações

©2019 por Júlia Scheibel. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now